Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Da saga "os meus amigos emprestam-me boas leituras"... Os Guerreiros do Arco Íris, de Andrea Hirata!

 

12991081_10206017084295096_7483937330601631370_n.j

 

Apesar de não o considerar um livro extremamente bem escrito, talvez porque a tradução para português não é das mais ricas, estes Guerreiros conquistaram-me.
O que parece ser uma espécie de narrativa da infância do próprio autor leva-nos a uma ilha exótica, linda, mas muito pobre. Os seus habitantes vivem subjugados por um monopólio capitalista que quase os divide em castas, mas, no meio de tanta miséria, uma turma de onze alunos marca a diferença é insiste em contrariar o destino.
Mais do que uma narrativa literária, esta é uma história que nos inspira a acreditar num futuro melhor, ao providenciarmos uma instrução decente às crianças de todo o mundo. O relato de Andrea Hirata obriga-nos a repensar as nossas prioridades e a reflectir sobre a perserverança e a lealdade.

 

No fim, dei-lhe 4 estrelas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Últimas leituras - O Filósofo e o Lobo

por BeatrizCM, em 01.05.16

Eis um dos novos livros da coleccção de bolso da Leya, que custa uma ninharia e entretém e ensina imenso: O Filósofo e o Lobo, do professor Mark Rowlands!

 

13148439_10206944765150028_980571054_o.jpg

 

Concordo com o que dizem muitas das críticas a este livro: não é um livro de filosofia convencional. Na maior parte do tempo, nem sequer temos muita dificuldade em seguir a narrativa ou a argumentação - é uma leitura razoavelmente leve. Consiste principalmente num relato de alguns episódios que Mark Rowlands viveu com o seu lobo Brenin, intercalado com algumas reflexões de ordem social, biológica e (obviamente) filosófica. A questão central é: como definir humano, como distinguir o Homem em relação às restantes criaturas terrestres? E como podemos comparar o Homem ao Lobo?

Em suma, não se deve esperar d'O Filósofo e o Lobo uma narrativa autobiográfica detalhada, mas também não se deve esperar uma leitura académica exaustiva e muito teórica. Aliás, há uma conjugação bastante equilibrada entre autobiografia e filosofia.
Atribuí 4 estrelas e não 5, apenas porque se notava alguma repetição de ideias que, ao fim de dezenas e dezenas de páginas, se torna irritante. Fiquei com a ideia de que não tinha havido cuidado na revisão da coesão entre capítulos.

A edição de bolso da Leya também precisa de uma revisão urgente na pontuação do texto.

 

Este foi também o primeiro livro oficial da coleccção comum de livros que me pertence tanto a mim quanto ao meu namorado, Ricardo. Somos os dois grandes fãs de livros e da leitura em geral, por isso pensámos que faria todo o sentido começar, não a juntar um enxoval para a vida, mas sim uma biblioteca da nossa futura família (se tudo correr bem). Dito isto, a mão, os pés e a mobília que vêem na foto desta publicação não são minhas... mas sim dele, porque eu fui a primeira a ler O Filósofo e o Lobo e passei-lho depois disso, em jeito de custódia partilhada!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Últimas leituras - Brooklyn

por BeatrizCM, em 01.05.16

 

Há mais de três meses que não me entusiasmava desta forma por um livro.
Encontrei Brooklyn, do irlandês Colm Tóibín, na estante de novidades da Biblioteca da FLUL e, agarradinha das capas que sou, não poderia ter deixado de ficar maravilhada por esta, tão pouco sugestiva, mas indescritivelmente cativante, de cores vivas e capa ainda imaculada.
O enredo primário não é complexo. Tal como contado na sinopse, esta é a história duma rapariga irlandesa que emigra para Brooklyn, nos Estados Unidos. Lá, consegue um emprego e até frequenta a universidade à noite. Entretanto, conhece um rapaz por quem se apaixona, ou pensa apaixonar. Assim é a sua vida durante quase dois anos, até que acontecem coisas interessantes que não revelarei aqui, mas que não deixam de ser mais ou menos previsíveis do ponto de vista narrativo dos romances.
No entanto, o que me fez adorar este livro não foi necessariamente o seu enredo; foi a maneira de contar, a tão badalada fluidez, as deixas que nunca param de nos dar razão para continuar a leitura por mais uma página, mais um capítulo, o facto de a vida do dia-a-dia estar sempre à acomtecer, de o tempo resvalar a cada canto sem nos apercebermos de que, de repente, já se passaram vários meses desde a última vez em que tínhamos pensado nisso.
Não é maravilhoso lermos trezentas páginas sem nos darmos conta disso? Não é reconfortante sentirmo-nos perdidos no meio da história, como se também lá estivéssemos do lado dos protagonistas a ver a sua própria vida passar? De nos dar aquela vontade de bater neles de vez em quando, quando não concordamos com as suas decisões, ou de chorar as suas mágoas?

Pronto, acho que já disse tudo, mas o finalzinho chocou-me muito - e mais não digo!

 

5 estrelas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este é mais outro livro que trouxe da biblioteca por, finalmente, perceber que não poderia seguir a minha vida de todos os dias sem o ler. O Rapaz do Pijama Às Riscas é uma história relacionada com o Holocausto e, como estudante de cultura, senti mesmo necessidade de perceber se era tão bom quanto contavam. Agora, só não sei se tenho coragem de ver a respectiva adaptação cinematográfica.

DSCF9608.JPG

Esta é a minha opinião acerca do presente livro de John Boyne, que eu acho que merece 5 estrelas:

Este é mais um livro para crianças e jovems, escrito para também conquistar os adultos. Aliás, penso que tenha sido escrito com esse propósito, muito em particular. Nem sei até que ponto é que uma criança perceberá os trocadilhos, as referências e os apartes do narrador/autor. 5 estrelas pela leitura do ponto de vista de um adulto, pela riqueza de emoções e de críticas veladas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este é o terceiro livro no espaço de um mês que eu perdi enquanto jóia da infância. Só o li aos 20 anos, mas serviu na mesma enquanto leitura marcante, bonita e que me fez voltar a sonhar um bocadinho. Há anos que ouço falar do Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro de Vasconcelos, mas nunca tive muita curiosidade, até que o encontrei na biblioteca da minha zona e cheguei à conclusão de que era uma história que me fazia falta conhecer.

 

DSCF9609.JPG

O que acham da crítica que deixei no Goodreads ao Meu Pé de Laranja Lima? Dei-lhe 5 estrelas.

Que história tão triste, mas com uma aura de esperança tão grande, tão plena de sonhos e de carinho!
Adoro a linguagem regional que caracteriza a escrita de José Mauro de Vasconcelos, adoro a caracterização das personagens, as voltas e revoltas que a história leva, a dificuldade inicial em compreender esta narrativa cheia de complexidades da infância e da linguagem e da imaginação da infância.

Depois de ler a biografia do autor, fiquei muito feliz por perceber que, no fim de contas, o Zezé não se saiu nada mal na vida.

Bom livro para as crianças, mas aqui a adulta fica feliz por só agora o ter lido, compreendendo toda a obra.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Como é que eu fiquei taaaaaantos anos com este livro intocado na estante? Foi preciso uma amiga incitar-me e relembrar-me do valor que o público leitor dá a'O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá, de Jorge Amado. É que eu já tenho este livro há quase 10 anos e nunca o li (antes, porque não gostava de ler outros tipos de português, nomeadamente o do Brasil; mais recentemente, por parvoíce). Ainda por cima, ele é tão curtinho que se lê numa hora ou duas... Felizmente, redimi-me aos 20 anos e esta foi a minha última leitura de 2015.

 

DSCF9658.JPG

Vejam lá se concordam com a minha crítica no Goodreads!

 

Tenho este livro há tantos anos, mas parece que só agora o consegui compreender. Apesar de "O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá" ser uma história para crianças, escrita por Jorge Amado pelo primeiro aniversário do seu filho, a profundidade emocional e a riqueza textual só podem ser entendidas por adultos. Uma criança há-de gostar da história, há-de entender o enredo, mas não será capaz de aproveitar toda a obra e os seus significados (à semelhança d'"O Principezinho", por exemplo).
Como é que uma obra tão curta veicula tantas críticas ao mundo dos adultos, ao mundo humano, através de uma espécie de fábula dos tempos contemporâneos? O que mais lamento na história é o seu final tão triste, o que, por um lado, violenta a imaginação das crianças e o seu desejo por um final feliz e justo; por outro, será que lhes ensinará a viver numa sociedade e numa realidade em que nem sempre tudo se desenvolve ao nosso gosto? Então, só é pena ter ficado a ideia de um suicídio. Assim se justificam as 4 estrelas que atribuí a'"O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá".
At last but not the least, adorei as ilustrações do artista Carybé!

Autoria e outros dados (tags, etc)

DSCF9659.JPG

Este não é o tipo de leitura que mais interesse à blogosfera (à semelhança, é provável, da maior parte das minhas leituras), mas deixo-vos na mesma a minha crítica a La fin de la jalousie et autres nouvelles [tradução possível: o fim da inveja e outras novelas], de Marcel Proust (o autor de Em Busca do Tempo Perdido), a que dei 3 estrelas no Goodreads. De qualquer forma, a crítica é bem curta, porque também não gostei muito destas "novelas", que eram mais contos que outra coisa.

Sexo. Erotismo. Amores mal resolvidos. Traições. Desgostos. Inveja. Ciúme.
Não gostei muito destes contos. Obviamente, pelos maus pagam os que até achei bons, escritos com cuidado e criatividade, mas a maioria não correspondeu às minhas expectativas.
Para mim, encontrei drama a mais e qualidade a menos. Espero que seja culpa minha e não de Proust.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Últimas leituras - "Violência"

por BeatrizCM, em 26.01.16

Eis a prenda que dei à minha cara metade no Natal: Violência do professor esloveno Slavoj Žižek. Quando fiz um intercâmbio em Newcastle, as minhas colegas eslovenas já me tinham recomendado ler as obras dele e ver os seus vídeos no Youtube (que, já agora, também são muito bons), por isso finalmente surgiu a oportunidade de começar por algum lado, em particular porque as traduções da editora Relógio d'Água costumam ser boas (se bem que esta não me pareceu a melhor). E sim, já sabem que eu leio os livros que ofereço, antes de os oferecer.

Provavelmente, este não será o título mais apelativo para se dar ao namorado, muito menos no Natal, mas prometo que também lhe ofereci outras prendas. Além disso, nós gostamos destes temas sócio-coisos.

 

Como me esqueci de arranjar uma fotografia do livro, aqui vos deixo uma imagem da capa...

9789896410957.jpg

... e, obviamente, a crítica que escrevi no Goodreads (com 4 estrelas de avaliação)! 

 

Este é daqueles livros que não podemos ler apenas uma vez. Não chega para o disfrutarmos plenamente. Para entendermos o discurso de Slavoj Žižek, tanto o escrito quanto o oral (através do seu canal de Youtube), temos de o rever vezes sem conta.
Žižek deambula imenso de tema em tema e, quando nos apercebemos, ele já mudou drasticamente. Acompanhar a escrita fluída, como se de uma conversa se tratasse, é um dos maiores desafios neste livro.
A única falha, que não é bem uma falha, consiste na referência constante a autores de todos os tempos, a livros, filmes e eventos sobre os quais o leitor menos informado poderá não ter conhecimento.

Em geral, quem diria que há tantos tipos de violência, todos eles tão intricadamente ligados uns aos outros? E quem diria que somos tão violentos todos os dias, sem nos apercebermos?

Recomendo imenso este livro para quem pretende reflectir acerca da vaga de refugiados na Europa e dos ataques terroristas em Paris durante o ano de 2015.

Autoria e outros dados (tags, etc)

No dia 18 de Novembro, fui ao Colóquio "Educação e Cidadania" na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa. Coincidentemente, na hora de almoço visitei a livraria da fundação, como já é meu hábito cada vez que lá vou - e foi lá que encontrei este livro. Formar Leitores Para Ler o Mundo é a colectânea das intervenções de imensos professores, investigadores e editores acerca da leitura no Congresso Internacional de Promoção da Leitura, que ocorreu em Janeiro de 2009. Os autores destas comunicações transcritas em livro tratam em particular da promoção da leitura junto dos mais jovens e em geral junto de toda a população, através dos núcleos familiares.

O que me cativou desde o primeiro momento foi a capa. Depois, foi o preço (menos de 5€). Finalmente, o conteúdo.

DSCF9653.JPG

Assim vos deixo a minha crítica goodreadsianaFormar Leitores Para Ler o Mundo, ao qual atribuí 5 estrelas de avaliação!

 

Tantas questões levantadas e tantas possíveis respostas tão construtivas! O que é a leitura, o que é a literatura e como levá-las às crianças em particular (e aos adultos em geral), tornando os respectivos processos mais apelativos e acessíveis para todos os níveis de compreensão literária?
O que torna este livro tão interessante do ponto de vista leigo e científico é resultar de uma data de intervenções numa conferência da Fundação Gulbenkian em 2009, não há muito tempo, e cada um dos conferencistas ter uma experiência diferente no que toca à sua nacionalidade, idade, formação de base, domínio de investigação e carreira. Deste modo, as opiniões e soluções são igualmente diversas.
Apesar de o tema central da conferência, a leitura, parecer fechado, cada painel apresenta abordagens criativas.
Recomendo este livro a professores de todos os níveis de escolaridade, a estudantes de literatura, a escritores e aspirantes a escritores, aos país de crianças em idade escolar, a bibliotecários e quaisquer outros profissionais da área com responsabilidade na promoção da leitura junto da população.

Autoria e outros dados (tags, etc)

2015 em livros

por BeatrizCM, em 02.01.16

Antes de mais, feliz ano novo a todos! Este blogue completou agora 2 anos e, por isso, não pode deixar de vos desejar um 2016 cheio de leituras com qualidade, mesmo que não em quantidade. Até eu já decidi seguir o meu próprio conselho e a lista já anda por aí, assim como já lancei igualmente o meu desafio anual do Goodreads com apenas 25 livros.

IMG_20160102_133916_138.JPG 

Quanto ao ano que passou, ainda me falta publicar aqui a minha opinião acerca de alguns dos últimos livros que li em 2015, mas decidi partilhar já o balanço final das minhas 40 leituras, à semelhança do que fiz acerca de 2014.

IMG_20160102_132439_431.JPG

 

IMG_20160102_134413_344.JPGIMG_20160102_134353_173.JPG 

Obrigada por terem acompanhado a minha estante em 2015! Espero que continuem por aqui em 2016! 

 

[E desculpem lá a falta de qualidade dos printscreens, que ficam bem maus a partir do tablet.]

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Em parceria com...

parceria_chiadoeditora


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D